• Jill Muricy

Uma Vida por uma Causa

Todos nós lutamos por alguma causa na vida, seja ela moral, intelectual, social, não importa. O importante é dedicar o próprio tempo nessa luta.

Qual é a causa pela qual você luta hoje? Seria capaz de doar a própria vida em defesa dela? Você tem mudado a realidade das pessoas nos locais por onde passa? Quem investe no bem do semelhante, espalha sementes de esperança na humanidade ferida, mas, quando a colheita chegar, colherá frutos de abundantes alegrias. Todos nós temos uma causa que nos faz acordar todos os dias.

Nem tudo de ruim que nos acontece é realmente um mal em si. Quando somos chacoalhados por determinadas realidades da vida, sofremos e chegamos até a perder o sentido de viver por um tempo. Parece até que a depressão vai imperar para sempre nos longos dias em que a saudade aumenta. É nesse exato momento de conflito existencial e em meio a dor de ter perdido alguém muito especial da própria família, que nasce o desejo de lutar pelo bem comum e renovar a esperança na humanidade. Foi assim que a Advogada Ellen Serra, de 40 anos, casada e mãe de 3 filhos, encontrou ânimo para criar projetos sociais no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Ellen e Luís Fernando, aluno que está no Bolshoi nos Estados Unidos

Moradora do bairro Higienópolis, na Zona Norte. Quando perdeu o pai em 2004, Ellen resolveu driblar a depressão causada pela ausência do seu herói ajudando crianças e adolescentes da comunidade carioca a não seguirem o caminho da marginalidade. Começou a fazer trabalho voluntário, ajudando as famílias no que fosse necessário. Em 2009, nasceu o grande projeto Vidançar, uma escola de dança. Um grande incentivo para crianças e adolescentes da favela. Sem espaço físico e ajuda financeira, Ellen pagava do próprio bolso a professora e o lanche da garotada. Mesmo com todas as dificuldades, Ellen nunca pensou em desistir do projeto. Com o passar do tempo, foi obtendo apoio da Secretaria de Cultura do município, do grupo Abraço de Águia Rio, da Revista A Lagarta, da IV Guindastes e da ONG inglesa LATA Foundation, que sustenta financeiramente todo o projeto. Ellen também conta com a ajuda de seu Renato, voluntário que toma conta da instituição.

Professora Sabrina com alunos de 5 e 8 anos

Atualmente, a escola de dança conta com a participação de 138 alunos, entre 4 e 23 anos. Entre os ritmos estão o Balé e o Hip Hop, e também o Teatro.


JP Black, professor de Hip Hop

Seus alunos já fizeram abertura de show da cantora Sandra de Sá, com o espetáculo "Os Opostos se Atraem", na cidade das artes na Barra da Tijuca. Apresentaram-se no circuito Marcos Frota e participaram do programa Encontro com Fátima Bernardes, na Rede Globo. Ellen se sente orgulhosa por tudo que já conseguiu para sua escola de dança, e tem gratidão por dois alunos que foram contratados por companhias de dança do exterior. O projeto de Ellen é gratuito e, para participar, as crianças e os adolescentes precisam ter assiduidade escolar e boas notas.

O Vidançar é a alegria dos jovens do Alemão, que, durante este tempo, tirou crianças e jovens da rua.

Turma de Hip Hop e Balé

Na sede incansável de ajudar ao próximo, em 2011, Ellen criou o projeto Defesa dos Direitos nas Comunidades (DEDICO), com o intuito de chegar aonde o poder público não chega. Pontos de impossíveis acesso, a famílias carentes e que não têm instruções sobre seus direitos. Em um ano, Ellen atendeu 362 famílias gratuitamente. Uma Advogada que admira a Madre Teresa de Calcutá não poderia ter ações mais nobres. Com o apoio de todos, Ellen segue feliz e realizada em seus projetos. Já se prepara para a festa de confraternização de fim de ano de seu projeto, que acontecerá uma semana antes do Natal, na escala Tim Lopes no Complexo do Alemão. Faz questão de convidar toda a comunidade carioca, para, juntos, brindar o bem comum.

Espetáculo "Os se Atraem"


Destaque
Tags