• Jill Muricy

Eu POSSO, eu CONSIGO

Muitas vezes, existem pessoas que aos nossos olhos parecem ser destinadas ao insucesso, e que nunca vão ter PROGRESSO! São justamente estas pessoas, que sempre dão a volta por cima.

Não há deficiência que impeça uma pessoa DETERMINADA de VENCER, aliás, tem gente com o emocional tão inteligente, que transformam sua própria deficiência em INSPIRAÇÃO para a HUMANIDADE.

Clodoaldo acedendo a Pira Paralímpica na Cerimônia de Abertura em 2016

O potiguar Clodoaldo Francisco da Silva Correa, um menino cheio de VIDA, surpreendido por situações desagradáveis, nas quais ele transformou em SUCESSO.

Clodoaldo nasceu com paralisia cerebral e por esse motivo não andava. Até aos 7 anos, as pernas eram dobradas e cruzadas, quando não se arrastava, era levado nas costas dos irmãos.

De FAMÍLIA humilde, Clodoaldo, sempre morou no bairro Mãe Luiza, lugar marcado pela criminalidade na periferia da cidade em Natal no estado do Rio Grande do Norte.

Na infância e adolescência mesmo com algumas limitações ele levava uma vida normal, estudava, brincava de bola (era o goleiro), vôlei e participava da aula de educação física.

Nunca se sentiu deficiente, e em casa, não era visto como coitadinho. Sempre bem-humorado, extrovertido encantava as pessoas ao seu redor, Clodoaldo tinha autoestima única. Jamais sentiu pena de si mesmo, sempre distraía as pessoas com seu jeito de ser. Começou a trabalhar aos 14 anos, fazendo e vendendo cadeiras de corda, artesanato tipicamente nordestino.

Aos 7 anos, fez duas cirurgias na virilha para corrigir os ossos das pernas, aos 9 fez a terceira cirurgia para esticar a perna esquerda, e aos 16 fez a quarta e última cirurgia no tendão da perna direita para poder esticar. E nesta idade, pela primeira vez na vida conseguiu ficar em pé e dar os primeiros passos se segurando em algo.

Clodoaldo: uma INSPIRAÇÃO de VIDA

O resultado das cirurgias poderia ter sido bem melhor, se não houvesse uma demora para a realização do procedimento. Pois, dependia da saúde pública e ficou muito tempo na fila de espera. A família não tinha condições financeiras para recorrer ao hospital particular. E por isso a recuperação não foi melhor.

Mas, isso não foi obstáculo para o Tubarão Paraolímpico, ele contornou a correnteza que insistia em ser contrária à sua vontade.

Para uma melhor recuperação após a última cirurgia, o médico recomendou que Clodoaldo praticasse natação para reabilitação do corpo. Ele só não esperava que a partir desse momento sua VIDA tomaria um novo rumo.

Tubarão Paralímpico


Na mesma piscina que Clodoaldo praticava sua fisioterapia, em 1996, a equipe paralímpica do Rio Grande do Norte, também praticava suas atividades, após um ano de exercícios, 1997 recebeu um convite para integrar na equipe de natação.

Em 1998, começou sua carreira na natação, foi seu primeiro campeonato no Rio de Janeiro, no mesmo ano conquistou 3 medalhas de ouro. Em 1999, foi a primeira convocação para a Seleção Brasileira.

Nos jogos mundiais na Nova Zelândia, lá conquistou mais 3 medalhas de ouro. Também disputou os Jogos Paralímpicos em Atenas 2004, em Jogos parapan-Americanos em 2003 (Mar del Plata), em 2007 (Rio de Janeiro) em 2011 (Guadalajara).

Em 2016, nas Paraolimpíadas do Rio de Janeiro, Clodoaldo foi convidado para acender a Pira Olímpica na Cerimônia de Abertura, ganhando mais uma medalha de prata. Em clima olímpico após 18 anos de natação, Clodoaldo anunciou sua aposentadoria. Durante sua trajetória, Clodoaldo conquistou 14 medalhas, 6 ouro, 6 prata, 2 bronze. Ele é o nadador paralímpico com mais medalhas em uma única edição.

Foi homenageado e o título de embaixador do Pan e do Parapan-americano de 2007, concedido pelo Sistema Firjan e escolha pela Soberana Ordem do Mérito do Empreendedor Juscelino Kubitschek, como personalidade esportiva de 2006.

Clodoaldo nunca andou, mas a VIDA o fez VOAR

Nos dias atuais, Clodoaldo mora no Rio de Janeiro há 13 anos, é pai da Anita de 6 aninhos, e palestrante motivacional no Brasil e exterior. Tem vários projetos sociais no bairro onde nasceu em Natal, o qual a mãe dele mora até hoje. Com uma ALEGRIA sem tamanho, por onde passa Clodoaldo INSPIRA as pessoas com sua VIDA de SUPERAÇÃO.


Destaque
Tags