• Jill Muricy

O Futebol e a FÉ

A SABEDORIA do ser humano consiste em tirar LIÇÃO de cada situação desagradável, que lhe acontece no decorrer da sua trajetória. Ninguém pode se tornar vítima dos acontecimentos, pois cada homem ou mulher, apesar das circunstâncias que lhes cercam, são PROTAGONISTAS da sua própria história.


Tudo na VIDA é uma ESCOLHA: ou escolhe VENCER, ou se conformar com o que acontece, para dizer que foi o “destino” que quis assim. Quando na VERDADE a pessoa tem a total LIBERDADE de escrever os mais BELOS capítulos de sua EXISTÊNCIA.

Cláudio Adão e seu contagioso SORRISO

Foi interior do Rio de Janeiro, mais precisamente em Volta Redonda, “Cidade do Aço”, que nasceu Cláudio Adalberto Adão, o Cláudio Adão. Filho de seu Paulo, “Pé de Ferro”, um grande jogador do futebol amador. O garoto, com esses antecedentes em sua História, já veio ao Mundo com resistência de BRONZE.


E, com essa VIRTUDE, ele encontrou FORÇAS para SUPERAR as adversidades durante sua carreira. De VIDA SIMPLES, Cláudio Adão tinha seis irmãos e moravam nos fundos da casa do avô paterno. Quando juntavam todos os primos, faltava lugar para se acomodarem durante a noite. Dormiam uns por cimas dos outros, porém, tudo era motivo de ALEGRIA e DIVERSÃO.


A criançada adorava BRINCAR ao ar LIVRE, corria, pulava e se divertia, sem medo de ser FELIZ. Foi ainda na infância, com nove anos, que Cláudio Adão descobriu o primeiro grande AMOR de sua VIDA: o futebol. O pai dele foi sua INSPIRAÇÃO.


Iniciou sua BRILHANTE carreira como jogador profissional no clube do Santos, em 1972. Além disso, teve o grande privilégio de jogar com o maior jogador do Brasil de todos os tempos: Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Até hoje os dois são grandes amigos e Cláudio ressalta que Pelé o ajudou bastante dentro do campo.

Cláudio no Santos

No mesmo ano que entrou no clube, Cláudio foi surpreendido por uma grande fratura na perna esquerda. Esta seria a maior SUPERAÇÃO de sua VIDA como jogador. Era o jogo entre o Santos e o América, em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, no Estádio Mário Alves de Mendonça. Cláudio Adão aos 17 anos, viu seu mundo cair para se LEVANTAR com mais FORÇA.


Antes de sair para o jogo, a mãe dele mandou passar água benta nas pernas, pois tinha sonhando com ele se machucando. Cláudio, entretanto, esqueceu a água na casa da namorada.


Chegando no campo, apareceu um menino do nada e disse: ”Ei, tu vai quebrar a perna! ”, e rapidamente o garoto desapareceu. Ele, porém, seguiu o jogo.


A partida começou normalmente, numa jogada dentro da área adversária. O goleiro ia defender a bola, mas caiu em cima da perna esquerda de Cláudio Adão; foi quando se machucou feio. O ferimento foi tão grave que os jogadores formaram um círculo ao redor dele, o sangue rapidamente se espalhou no campo, para a preocupação de todos, inclusive do médico que falou para os companheiros que Cláudio Adão não ia jogar mais, quando viu a fratura exposta.


O jovem fraturou a tíbia e o perônio e esse fato parecia ser o fim de uma carreira que tinha acabado de começar. Menino cheio de SONHOS, preparado para BRILHAR nos campos, encontrava-se numa situação bastante delicada. Porém, dentro do CORAÇÃO do jogador, existia uma FORÇA INEXPLICÁVEL de dar a volta por cima naquela dolorosa situação. Ele não se deixou abater em momento algum pelo desânimo.


Por mais que existam dias cinzentos e nublados, quando o SOL aparece é para derreter toda frieza que tem sequestrado a FELICIDADE. Cláudio Adão sempre foi DEVOTO de Nossa Senhora Aparecida. Ele uniu-se à sua FÉ católica, pela recuperação da perna. A mãe dele estava sempre presente tanto na vida, quanto nas orações, para que acontecesse uma CURA, um MILAGRE na Vida do jovem jogador.


Todos diziam que ele não ia mais jogar bola, as pessoas faziam questão de deixar isso bem claro, enquanto isso Cláudio Adão seguia com o tratamento pela recuperação. Ainda com a perna doente, foi comprado pelo Flamengo.


Após dois anos de LUTA e PERSEVERANÇA, com muita FÉ em Nossa Senhora Aparecida, Cláudio Adão voltou a jogar bola mais FORTE que nunca, para SURPRESA de todos. Ele tinha uma ENORME GRATIDÃO a Deus, por tê-lo permitido voltar aos campos. Por isso, dava o melhor de si em cada jogada. FELICIDADE era o nome que o definia para aquela “segunda chance” na carreira.

Cláudio no time do CORAÇÃO, Flamengo

Além do Santos e Flamengo, Cláudio Adão BRILHOU no Botafogo, Vasco, Fluminense, Portuguesa, Corinthians, Bangu, Bahia, Cruzeiro, Campo Grande, Ceará, Santa Cruz, Volta Redonda, Rio Branco Atlético Clube e Desportiva Ferroviária. Conquistou o Campeonato Carioca de 1980 pelo Fluminense.


Cláudio relata, que tem uma enorme ADMIRAÇÃO pelo Zico; os dois jogaram juntos no Flamengo. E afirma que ainda não viu nenhum ser humano com o CORAÇÃO tão GENEROSO como o do Galinho de Quintino.


Na Seleção Brasileira (Brasil Olímpico) atuou nos Jogos Pan-Americanos. Em 1975, conquistou a Medalha de Ouro e esteve no Campeonato Mundial Masters em 1991. No futebol internacional destacou-se no Áustria Viena, na Áustria, Al Ain nos Emirados Árabes, Benfica em Portugal e Sport Boys no Peru.


Após 24 anos de carreira, Cláudio Adão se aposentou dos gramados como jogador em 1996. No ano seguinte o ex-atacante iniciou a jornada como treinador. Esteve à frente do Volta Redonda (RJ), Sport Boys (Peru), Centro Sportivo Alagoano (CSA), Metropolitano (SC), Ferroviário( PE), Duque Caxiense (RJ), Legião (DF), Atlético (PR) e Xisto (MT). Atualmente, Cláudio Adão integra a equipe do Flamaster, no Flamengo, seu clube do CORAÇÃO.


Entre muitas coisas sólidas construídas por Cláudio Adão, está sua linda FAMÍLIA. Um marido apaixonado pela mulher, a cineasta Paula Barreto. É pai do Felipe Adão, que também é jogador de futebol, e da Camila Adão, que foi uma grande jogadora de vôlei, e avô da pequena Flora, de quase um ano.


Cláudio Adão é um homem imensamente FELIZ, dono do sorriso mais LINDO do mundo. Procura ajudar as pessoas, principalmente seus funcionários, que trabalham em sua casa. Fala ALEGREMENTE que só tem GRATIDÃO a Deus por tudo. Fica orgulhoso em ver Felipe jogar, ele imagina como o pai dele, seu Paulo, ficava feliz o vendo nos campos.

Cláudio Adão e a Marca dos VENCEDORES

O mais interessante na EXISTÊNCIA da VIDA: os imprevistos podem acontecer, as enfermidades surgirem, mas, ninguém pode impedir o SUCESSO de alguém que foi DESIGNADO por DEUS para VENCER. Nada consegue barrar um VENCEDOR.




Destaque
Tags