• Jill Muricy

Como NASCE uma Mulher FORTE

Existem acontecimentos que não entendemos a finalidade de imediato, pois simplesmente seguem seu percurso. O sofrimento nunca vai bater à sua porta, ele entra mesmo sem avisar. Até porque se ele fosse bater ninguém lhe daria abertura. Uma pessoa jamais convida o sofrimento para visitar sua casa, vida, família, profissão, ele sempre vem por conta própria.

Francieli e a filha Antonella/Foto: arquivo pessoal


O fascinante é saber que há um desígnio por trás de toda circunstância, nada é coincidência. Tudo é um ensinamento, e aprender dói. Porque faz parte da nova pessoa que vai nascer a partir daquela situação.


Toda dor tem a sua recompensa, e não somos os mesmos após nossas experiências, elas têm o poder de nos transformar ou nos tornar nas piores pessoas: o que vai definir a condição é a forma como você olha e vive cada etapa. Algo só vai te mudar com sua total autorização.


O INÍCIO


Há pessoas que são escolhidas para viverem determinados sofrimentos, e saem deles mais autênticas e profundamente fortes: é o caso da paranaense Francieli Cristina Klamt, de 30 anos, da cidade de Realeza. Atualmente mora em Pérola d’Oeste, Sudeste do estado.

Uma mulher forte e tranquila do interior, de vida simples e honesta, filha de pais comerciantes, e família estruturada. Ela passaria por longos desafios, que chegariam de surpresa na sua jornada existencial, mas sairia deles transformada.

Em 2007, Francieli estava com 17 anos, terminando de cursar o Ensino Médio, ano que perdeu a mãe Iria Klamt, de enfarte. A dor foi incalculável, pois uma adolescente acabara de perder a mãe, teria que enfrentar tudo sozinha.

Com a perda da mulher, Veno Klamt ficou muito sozinho e triste, entrando em depressão profunda, e em 2014, três anos após a morte da esposa, tirou a própria vida, por enforcamento. Foi um abalo indescritível para as filhas: Gracieli e Francieli.

Iria e Veno Klamt, pais de Francieli/Foto: arquivo pessoal


Apesar da dor sempre presente em seus dias, Francieli Cristina prosseguiu com a vida, e aos poucos ia dando passos para ver capítulos leves no roteiro da própria existência. Ela se tornou mãe da doce Brenda, uma menina que nasceu para iluminar.

Em junho de 2017, a garota havia acabado de completar cinco anos, e a mãe estava grávida de sete semanas de Antonella. Ambas sofreram um gravíssimo acidente de carro, Francieli estava na direção. Foram levadas para o hospital, mas a menina Brenda não resistiu.

Francieli e a filha Brenda, morta no acidente/Foto: arquivo pessoal

Francieli sofreu várias fraturas pelo carpo: tíbia, fíbula, maxilar, nariz e costela. Perfurou o pulmão, mas com a graça divina a bebê continuava firme no ventre da mãe. Com quatro meses de gestação, após uma ultrassom morfológica, Francieli descobriu que Antonella estava com malformação, os médicos disseram que foi devido a gravidade do acidente.


Foi um imenso baque, desespero total, a aflição da mãe para saber o que de fato estava acontecendo com a filha. Procurou vários médicos, fez diversos exames e todos deram o mesmo resultado, de uma deficiência na criança.

Francieli e o marido Lucas Roberto demoraram para entender a situação, mas aceitaram a surpresa como vontade divina, que veio para um propósito. Depois da aceitação tudo ficou mais leve. A SUPERAÇÃO


No dia dois de fevereiro de 2018, Antonella nasceu de parto por cesariana, a jovem mãe não teve nenhuma complicação.


A bebê chegou ao mundo com agenesia inferior esquerda (sem a perna esquerda). A linda menina sempre muito ativa, com um grande sorriso no rosto. Começou a engatinhar com seis meses de vida, nunca teve dificuldade em ser uma criança livre para brincar.

Ela enfrenta tudo do jeitinho dela. E os pais a encorajam dizendo: ”você pode tudo, filha!”. Para eles, Antonella é perfeita, do jeito que Deus mandou. É uma menina muito amada e querida pela família, que sonha em dar irmãozinhos a ela.

Nada impede a doce Antonella de ser livre/Foto: arquivo pessoal

Para Francieli, as filhas a ensinaram a ser forte e nunca desistir dos objetivos, e afirma que através de toda experiência vivida a tornou em uma mulher transformada, que enxerga tudo ao seu redor com um novo olhar, dádiva que não possuía antes. A jovem mãe não expressa jamais amargura ou revolta em sua vida, tem sorriso largo e coração grande. Sabe demonstrar enorme alegria a todos em sua volta.

A meiga Antonella vive com muita leveza e serenidade, ama correr, brincar com animais, e como a família mora no sítio, fica mais fácil o convívio dela com a natureza. Ela estuda online devido à pandemia, é super inteligente e uma vez por semana vai ao fisioterapeuta, fonoaudiólogo e psicólogo.

Família: Francieli, Lucas e Antonella/FOTO: arquivo pessoal


Ela enfrenta os desafios com um gigantesco sorriso no rosto, porque viver é um grande privilégio, ninguém está vivo por acaso.

E Deus escolheu a Francieli para ser a mãe da Antonella, uma mulher forte que nasceu de outra mulher forte. A prova de que nenhum problema é irresolvível!


Destaque
Tags